Tag Archive for livros

Top 5

 

Amigas lançam livro infantil com RA

Educadora e administradora brasileiras lançam livro infantil que utiliza Realidade Aumentada. O projeto reúne livro e app gratuito, que dá vida aos personagens do livro e gera interações também com o site da empresa. Saiba mais>

 

livro_infantil_RA

 

Apple patenteia sistema de Realidade Aumentada

A Apple recebeu nos Estados Unidos o registro de patente de um método de Realidade Aumentada que captura o vídeo ao vivo e o exibe em dispositivos portáteis, sobrepondo informações sobre o objeto. Além disso, a patente dá conta de uma funcionalidade de interatividade com a imagem, permitindo que o usuário faça anotações sobre ela e as compartilhe com outros aparelhos.

 

apple_AR

 

Brasil apresenta queda na venda de PCs em 2012

A IDC Brasil divulgou estudo que mostra queda de 2% nas vendas de PCs em relação a 2011, registrando a venda de apenas 15,5 milhões de unidades em 2012. A expectativa de aumento das vendas no último semestre foi frustrada, com o usuário doméstico optando por aparelhos mais baratos como smartphones e tablets.

Mais de 42 milhões de brasileiros já compram pela internet

O estudo WebShoppers, da e-bit, mostra crescimento na base de clientes de e-commerce no Brasil: agora são 42 milhões de pessoas que usaram a internet pelo menos uma vez para comprar. Quase metade da população que tem acesso à internet no país já realizou alguma compra online. A categoria com maior volume de pedidos é a de Eletrodomésticos com 12,5% do total.

Filme ‘App’ utiliza conceito de segunda tela

O filme holandês App que será lançado em abril utiliza o conceito de segunda tela através de um aplicativo gratuito para Android e iOS. Dirigido por Bobby Boermans, o filme convida o espectador a assistir as cenas na telona e acompanhar imagens complementares em seu smartphone através do aplicativo sincronizado. Veja o trailer.

 

App-o-filme

 

Fontes: Estadão, O Globo Online, Info, Proxxima, Update or Die.

Mix realities: livros

Dia 12 de março é o Dia do Bibliotecário e em homenagem a esses curadores de livros, citaremos alguns exemplos da entrada da tecnologia e da Realidade Aumentada nesse universo. No ano passado a XXII Bienal do Livro de São Paulo lançou alguns livros interativos e fez sucesso com os QR-Codes espalhados pela feira. Nesse ano, os Estados Unidos ganharão a primeira biblioteca sem livros físicos e teremos em junho o 4º Congresso do Livro Digital que irá discutir como fica essa hibridização que passa por e-books, audio-books, novos formatos de biblioteca e livros em RA.

No metrô de Bucareste, na Romênia, os passageiros podem encontrar livros por todas as paredes, do chão ao teto da estação. Eles estão lá a disposição. E-books ou audio-books poderão ser comprados com apenas dois cliques. O projeto que une uma biblioteca física e digital é uma colaboração entre a editora Humanitas e a empresa Vodafone. Eles lançaram essa campanha de marketing unindo os benefícios dos dispositivos móveis ao catálogo de produtos da editora.

subway-ebook-ad-campaign
Seguindo os caminhos dos livros digitais, a cidade de Bexar Country, no Texas (EUA) anunciou que terá a primeira biblioteca sem livros físicos do país. A chamada BiblioTech contará com salas de estudos, de reunião e um espaço interativo para as crianças. O acervo será composto por uma vasta coleção de e-books.

No Brasil, o assunto começou a ser mais popularizado a partir da XXII Bienal do Livro de São Paulo, em 2012, que trouxe lançamentos com recursos de RA nos mais variados temas, dos didáticos aos religiosos. O evento começou a integração no mundo mobile lançando um aplicativo sobre a Bienal. Em seguida, os leitores foram capturados por livros que criavam imagens animadas a cada página virada.

As possibilidades do uso da tecnologia no mundo dos livros são enormes e estamos num campo ainda pouco explorado. Para os bibliotecários que hoje comemoram seu dia e para todos os interessados no assunto, as perspectivas e desafios desse campo continuarão sendo discutidas em muitos eventos tanto no Brasil como no exterior. Para começar, em junho de 2013 será realizado em São Paulo o 4º Congresso do Livro Digital que irá debater questões de direitos autorais, o uso da tecnologia na educação, o livro digital que virou game e outros temas correlacionados.

Para muitas pessoas ainda é um desafio ler em telas e há aqueles que não trocam o cheiro e a textura da página de papel por nada. Conte para gente se você se enquadra nesse time ou se já está totalmente adaptado à leitura digital.

Cinco publicações que você deve ler sobre realidade aumentada

Embora já seja de uso corrente e esteja atrelada a várias estratégias de marketing, a jogos digitais ou simplesmente a aplicativos para tablets ou smartphones, é muito comum que quem se interessa pelo tema ‘realidade aumentada’ e quer conhecer mais o assunto; seja para se especializar na área ou para aprender mais sobre a técnica, encontre dificuldade com algo que é primordial para o conhecimento: bons livros sobre a tecnologia.

Esta necessidade fica bastante evidente quando você participa de grupos ou de comunidades com pessoas que estão na área, ou que querem entrar nela, e têm bastante dificuldade em encontrar uma literatura consistente. De fato, no Brasil a oferta de títulos em português ainda é escassa, porém, a língua não pode ser uma barreira para quem quer ficar por dentro. Separamos para vocês, então, cinco publicações bastante interessantes que foram indicados por quem entende: nosso diretor (que inclusive é colaborador em um capítulo de um dos livros) e nosso designer. Aproveitem!

> Livros:

Livro Emerging Technologies of Augmented Reality/divulgação.

Livro Emerging Technologies of Augmented Reality/divulgação.

Emerging Technologies of Augmented Reality, de Bruce Thomas, Michael Haller, Mark Billinghurst (Idea Group Publishing):

É uma coletânea de vários artigos de profissionais que possuem expertise nas mais variadas modalidades da tecnologia. Em uma análise abrangente, aborda tópicos como interface, design e algorítimos envolvidos num projeto de realidade aumentada. Está disponível para venda na Amazon. O diretor da eyllo, Enylton Machado, participou da elaboração de um dos capítulos.

Technology as Experience, de Peter Wright e John McCarthy (The MIT Press):

Este trabalho procura explorar fatores técnicos do design de produtos, mas vai além, buscando a sua relação com o lado psicológico dos seres humanos. O objeto de estudo aqui é destrinchar a experiência do usuário no que toca aos aspectos emocionais, intelectuais e sensoriais e sua relação com a tecnologia. Os exemplos utilizados pelos professores são tirados do dia a dia, traçando um paralelo da relação do homem com o computador. Para quem curte investigar a reação dos outros aos seus trabalhos e aplicar isso nos seus projetos. O Google Books tem uma resenha sobre o livro e dá indicações de obras semelhantes.

Augmented Reality: A Practical Guide, de Stephen Cawood (Pragmatic Bookshelf):

Mais novo do que as indicações anteriores, aqui a ideia é exatamente ser o que o título sugere, um guia. Em 328 páginas, o autor, que foi gerente de programação da Microsoft, avança na técnica e já propõe aplicações diversas para o recurso, sugerindo uma nova relação entre o usuário e o computador. Além de explicar detalhadamente como funciona a tecnologia, Stephen ainda encoraja o leitor a fazer suas próprias experiências.

> Artigos:

The poetics of augmented space, de Lev Manovich:

Neste texto de 27 páginas, este crítico literário, professor russo universitário e pesquisador de novas mídias e design analisa a importância e a relação da forma e do conteúdo dos projetos criados sob a plataforma de realidade aumentada. Este tópico, aliás, deveria ser bastante pensado por quem trabalha na área, pois muitas vezes o design final, para o usuário, deixa a desejar. Esta característica é um tópico sempre avaliado por nós, aqui da eyllo, em relação ao paprika. Para ler, é só fazer o download.

– A Survey of Augmented Reality, de Ronald Azuma:

Indispensável para quem quer saber sobre a evolução da técnica, já que este é um dos artigos mais antigos sobre o gênero. Escrito em 1997, o trabalho de pouco mais de 35 páginas, aponta a integração da técnica com a linguagem 3D e indica a sua plena utilização como recurso nas áreas da medicina, indústria, educação e militar. Devido às limitações tecnológicas do ano em questão, Azuma discute os problemas e as dificuldades da aplicação da RA. Vale a leitura. Download gratuito.

Estes são alguns dos livros que contribuíram para aprimorar a realidade aumentada e mostrar um novo caminho na área de tecnologia. Estes pesquisadores, profissionais e professores descobriram e exploram uma novidade e passaram seu saber adiante. Datado ou não, a história do progresso de uma técnica é sempre válida, pois pode mostrar caminhos que não foram vistos até então. Vale reler, se você já leu e para quem está começando é indispensável!

Já leu esses livros? Indicaria outros na área? Deixe sua indicação para os leitores do blog da eyllo e compartilhe este post se você gostou.

Realidade aumentada marcou presença na 22º Bienal do Livro de São Paulo

Jovem interage com livro na Bienal de SP/Divulgação

Jovem interage com livro na Bienal de SP/Divulgação

Neste domingo, dia 19, chegou ao final a 22º edição da Bienal do Livro de São Paulo. Em meio aos costumeiros lançamentos, palestras e entrevistas que normalmente acontecem neste evento, que em 2013  ocorrerá no Rio de Janeiro, a edição deste ano da versão paulista já apontou para a nova tendência do mercado editorial: os livros interativos.

Reunindo as principais editoras, livrarias e distribuidoras do país, no Pavilhão de Exposição do Anhembi, os participantes da Bienal procuraram levar a sério o tema ‘Livros transformam o mundo, livros transformam pessoas’, convidando os visitante a uma imersão real na literatura através de vários recursos e entre eles, claro, da realidade aumentada.

Já exploramos aqui em posts anteriores que a tecnologia de realidade aumentada vem sendo aplicada com relativo sucesso em publicações dos mais variados segmentos, como gibis, graphic novels e livros da literatura clássica ou moderna. Esta indústria percebeu que existe uma possibilidade real de dar ao leitor uma nova experiência seja através  do livro físico ou virtual.

Nesta seara, os estandes apresentaram diversos atrativos ao visitante explorando criptografia, programação, realidade aumentada e plataformas de distribuição de conteúdo digital. Vários títulos foram lançados ressaltando exatamente o uso da RA, desde temas ligados à autoajuda, passando pelos didáticos até os mais tecnológicos.

A aposta em livros com recurso de realidade aumentada esteve presente em boa parte dos estandes chamando a atenção dos leitires, como, por exemplo, a exposição de um protótipo de “A Dama Pé de Cabra”, onde cada página possuía um leitor que era detectado por um sensor e criava imagens animadas em uma tela para cada página virada no livro físico. Outra prova de que a tradição e o avanço tecnológico andam juntos é que até editoras tradicionais, mais voltadas para títulos religiosos, como a Canção Nova, também apresentaram seus lançamentos na área.

Portanto, se você esteve na Bienal de São Paulo pôde observar que os limites entre o físico e o virtual, entre o tradicional e o novo, podem estar apenas nos corredores de um evento ou nas prateleiras de uma livraria, porque no objeto em si, ou seja, no livro, tais caminhos já se cruzaram faz tempo. É muito importante, portanto, que uma feira com o tamanho e a importância de uma bienal mostre ao público que estas fronteiras não existem mais e que a tecnologia não obscurece a leitura, pelo contrário, torna a experiência muito mais completa.

Você foi a Bienal de SP? Comprou algum livro em RA? Divida com os demais leitores do blog da eyllo.

Em tempos de Flip, a realidade aumentada será uma alternativa para livros e gibis

Nesta semana, mais precisamente no dia 4, começou, em Paraty, a mais importante festa literária do país: a Flip, que se encerra no próximo domingo, dia 8. O evento, que está em sua décima edição e homenageia Carlos Drummond de Andrade, é uma reunião de autores, escritores, cineastas, historiadores e pessoas envolvidas com movimentos culturais no Brasil e no exterior, que discutem rumos, tendências e trabalhos de autores e da cultura dentro do cenário mundial.

Mas, o que isso teria a ver com realidade aumentada? Muita coisa. Embora ainda não esteja destacado como tema nas mesas de debate da festa, em pouco tempo a adoção do recurso será, fatalmente, um assunto comentado nessas rodas por editores, escritores e críticos. Afinal, segundo uma pesquisa do Ibope Inteligência, divulgada em meados de junho, o Brasil tem mais de nove milhões de leitores de e-book. Ou seja, a própria necessidade do mercado e dos leitores, vai exigir das editoras estratégias para atrair novos consumidores e é aí que entra essa tecnologia.

Como já vimos aqui em outra ocasião, livros com RA já estão nas prateleiras ou em vias de estar, como a série voltada para o público infantil idealizada por JK Rolling e pela Sony; e o projeto de revitalização de clássicos da literatura internacional, da editora Penguin Books.

Capa de uma das edições com RA da Marvel.

Capa de uma das edições com RA da Marvel.

Mas um outro filão, outrora relegado a subliteratura e agora tendo seu valor cada vez mais reconhecido, já se utiliza da técnica há tempos para popularizar seus produtos e personagens. Estamos falando dos gibis e das graphic novels que também perceberam que este é o próximo passo para atrair e fidelizar novos leitores. A Marvel, por exemplo, sempre antenada, já lançou uma versão das aventuras de seus heróis com o recurso. Além de presente na capa, outras páginas da revistinha ganharam movimento e detalhes graças a RA.

Cada vez mais, portanto, veremos a realidade aumentada como parte integrante da linguagem dos livros, sejam eles clássicos ou não, e das publicações mais diversas, como os gibis. Estamos assistindo a ampliação de um mercado que aponta para as editoras infinitos caminhos, tanto pela popularização do e-book, como pela revitalização do livro físico. Por um caminho ou outro, a palavra vai prevalecer, de forma impressa ou aumentada.

Você acredita que os e-books vão substituir os livros? Já leu algum texto com realidade aumentada? Conte para nós da eyllo como foi!