Seis filmes que colocaram a realidade aumentada bem pertinho de você!

Se você é uma dessas pessoas que adora cinema e também é louco por tecnologia, a realidade aumentada não é para você, assim como para nós da eyllo, uma novidade. Mas, ainda que filmes e efeitos especiais não atraiam sua atenção a ponto de torná-lo um aficionado, esta técnica já está próxima do seu conhecimento há muito tempo e, com certeza, já tirou de você muitos ‘Ôs’ e ‘que maneiros!’. A diferença agora, contudo, é que o que estava na telona, está disponível no seu smartphone. O Paprika é um exemplo disso.

Então, para mostrar que a realidade aumentada é algo que você conhece faz tempo, listamos seis filmes (claro, tivemos que deixar alguns de fora) que são marcos do cinema e que apresentaram o que o futuro (cada vez mais próximo) vai nos trazer:

1. Star Wars – 1977 (Guerra nas Estrelas):

O primeiro filme da série, dirigida e criada pelo até então novato George Lucas, foi lançado originalmente em maio de 1977 e arrebatou plateias do mundo inteiro com seus efeitos especiais de tirar o fôlego para a época. A qualidade técnica dos filmes é tão boa, que mesmo nos dias de hoje, os efeitos não parecem tão toscos como os de outras produções do filão que se tornaram datados.

Jogo de Xadrez do filme Star Wars / Reprodução.

Jogo de Xadrez do filme Star Wars / Reprodução.

Além de imortalizar personagens como Darth Vader, Yoda, Luke Skywalker, Han Solo, Chewbacca e Princesa Leia; e de apresentar armas, como o sabre de luz
as naves a Estrela da Morte e Milleniun Falcon, a trilogia inicial também apresentou a realidade aumentada em várias passagens. As mais clássicas são: a mensagem que Obi-Wan deixa registrada no R2D2 para Leia e o jogo de xadrez entre R2 e Chewbacca, como mostra a imagem.

2. Terminator – 1984 (O Exterminador do Futuro):

O filme que lançou definitivamente o ator Arnold Schwarzenneger ao estrelato, chegou aos cinemas em 1984 pelas mãos do diretor James Cameron, que anos mais tarde revolucionaria o conceito de 3D com o seu ‘Avatar’ (como veremos à frente). A história do juízo final e de viagens no tempo foi um estrondoso sucesso. Não só popularizou os óculos escuros usados pelo exterminador, como de quebra ainda deixou para os anais do cinema o bordão ‘I’ll be back’ (‘Eu vou voltar’).

Visão do exterminador/Reprodução.

Visão do exterminador/Reprodução.

Mas, além da incrível caracterização do robô, os recursos que ele apresentava eram o seu diferencial. Você, com certeza, adoraria ter a ‘visão do exterminador’. Aquela que mostra em tempo real toda a descrição do ambiente ao seu redor. Pois é, isto é realidade aumentada. A identificação foi tanta que esta referência ‘A Visão do Exterminador’ passou a ser usada como uma das definições da RA. Aliás, qualquer semelhança com o projeto Google Glasses não é uma mera coincidência.

 

3. Matrix -1999 (Matrix):

Esta mega produção dirigida pelos irmãos Wachowski e estrelada por Keanu Reaves, fez muita gente duvidar da própria existência, no ano de 1999. Discussões sobre o ‘lado negro da força do avanço tecnológico’ (com licença à citação a ‘Star Wars’), já abordada na visão apocalíptica do ‘Exterminador’, ganham aqui uma visão de imersão total na realidade virtual, onde nossas mentes são as únicas responsáveis por nossos impulsos, sendo também ‘programadas’ para ‘funcionar’ em uma direção estabelecida.

Matrix. Neo e Trinity escolhem suas armas/Reprodução.

Matrix. Neo e Trinity escolhem suas armas/Reprodução.

Aliás, a realidade aumentada aqui é tudo o que cerca Neo, seus companheiros e o planeta. Lembra a cena em que ele escolhe uma arma? Pois é, um dia você ainda vai escolher produtos assim!

4. Minority Report – 2002 (Minority Report – A nova lei):

Minority Report. Personagem de Tom Cruise interage com a tela/Reprodução.

Minority Report. Personagem de Tom Cruise interage com a tela/Reprodução.

O consagrado diretor Steven Spielberg acertou em cheio em algumas previsões deste filme estrelado por Tom Cruise e que chegou às telonas em 2002. Num futuro não tão distante, cada vez mais próximo, aliás, em que os crimes são previstos com minutos de antecedência por superdotados que transmitem suas visões a um computador, para que um policial os interprete e evite a ação criminosa, somos apresentados a uma tela em que as imagens, manipuladas pelo personagem de Tom Cruise, saltam, mudam de ordem, são reviradas, descartadas, ampliadas… Tudo com a ajuda de um óculos e do simples movimento de luvas, que funcionam como um controle remoto.

Além desta tela, que está cada vez mais próxima de nós, vemos também – como um exemplo da aplicação da realidade aumentada – os comerciais que interagem com o personagem tão logo ele entra no shopping. O consumidor é identificado e imediatamente lojas, ofertas e tudo mais que tenha a ver com os hábitos de consumo dele são apresentados em monitores espalhados pelo local. Esta situação não está assim tão distante de nós. Em breve, teremos nossos gostos e hábitos filtrados, catalogados e interpretados para que possamos ter acesso mais rápido ao que nos interessa. Não vamos discutir aqui condicionamento de consumo, ok?

5. Iron Man – 2008 (Homem de Ferro):

Ao entrar no personagem de Tony Stark e vestir a armadura do Homem de Ferro, Robert Downey Jr. também entrava para a galeria de atores que manipularam a realidade aumentada. Neste filme de 2008, do diretor John Favre, somos apresentados a um verdadeiro leque de aplicações da técnica. Não só no papo de Stark com o seu supercomputador Jarves, recriando a ‘visão do exterminador’, mas na maneira como o magnata cria e manipula seus projetos, em projeções que vão além do simples 3D. Ele ‘descola’ imagens de um monitor, as joga no ‘espaço’ e descarta, aumenta, diminui, retira e toca aquilo que quer.

Tony Stark manipula sua armadura/Reprodução do filme 'Homem de ferro'

Tony Stark manipula sua armadura/Reprodução do filme 'Homem de ferro'

É a realidade aumentada em sua aplicação completa. Pense só: o que você viu nas telas, em parte, já é possível hoje com um código e uma câmera. Qualquer um pode se sentir meio Tony Stark atualmente.

6. Avatar – 2009 (Avatar):

O que dizer deste filme de James Cameron que entrou em cartaz em 2009 e revitalizou não só o cinema 3D para o público, como também para a própria maneira de filmar? Você pode até ter achado a história do filme questionável, mas não pode negar o maravilhoso mundo criado pelo diretor. As criaturas, a fauna e a flora do Planeta Pandora foram todas produzidas no computador com recursos já manjados, mas extrapolados de uma forma jamais vista.

A aplicação da realidade aumentada está por toda a parte do filme, a começar pelo sistema de sensores colados aos atores e conectados às câmeras e computadores usados por Cameron para criar as formas e expressões dos personagens. Este sistema possui um sensor de realidade aumentada que possibilitava ao diretor orientar os atores e ver o resultado imediatamente projetado na câmera.

Holograma do filme Avatar/Reprodução.

Holograma do filme Avatar/Reprodução.

Outra aplicação, eram os mapas e maquetes utilizados nas cenas em que os personagens mostravam partes da floresta ou de locais específicos. Assim como os hologramas de Tony Stark, a interação com a imagem era total com manipulação de tudo o que era visualizado e com precisão de detalhes, como cores, formas e escala de tamanho.

Esta pequena seleção mostra como o cinema sempre foi um indicador do que o homem é capaz de inventar. Desde o distante filme Metrópolis (1927), de Fritz Lang, que já previa uma sociedade imersa na tecnologia, até o mais recente sucesso em cartaz, muitas outras produções irão nos mostrar toda a capacidade de criação e de avanço que possuímos.

Você pode até discordar desta relação, mas deve concordar que a sétima arte continuará sendo uma das responsáveis por trazer o amanhã cada vez mais para perto do hoje.

E você? Qual avanço tecnológico você viu no cinema que gostaria de ver disponível agora? Você tem mais algum filme para acrescentar a lista? Divida conosco!

Comments are closed.